3 de set de 2012

Ditadores bicudos


As empresas de entretenimento muitas vezes misturaram seus desenhos com política, especialmente no começo do século passado. O curta "The Ducktators" (1942), da Warner Bros. conta a história da Alemanha Nazista usando patos para representar Hitler, Mussolini e os japoneses. Ainda que a intenção fosse boa (será?), o desenho se vale de estereótipos um tanto controversos. "Mussolini"é gordo, meio bobo e fala um inglês macarrônico. Não sobrou nem para os próprios americanos: um pato com sotaque do sul dos EUA aparece nas fileiras do Hitler bicudo.



Isso era peixe pequeno diante da situação que o mundo vivia, é claro. Charles Chaplin usou dos mesmos recursos em seu filme "O Grande Ditador"não perde o mérito por isso. Era uma época diferente. Ao largo passava o politicamente correto; mais prementes eram as atrocidades que uma nova guerra anunciava através do que havia acontecido na Espanha alguns anos antes.

"Ducktators"carece da sutileza que sobrava em Chaplin, mas é um registro muito interessante. Mostra como o mundo, e os EUA em particular, estavam engajados na ideia de uma luta contra o nazi-fascismo. Dá a impressão de que as coisas eram mais claras antigamente, que havia uma linha e um abismo separando os lados certo do errado. É quase impossível pensar em algo parecido para o mundo de hoje, tão difuso e de vários lados. Quem pagaria de pato?

Os Simpsons, é claro, já fizeram menção aos desenhos políticos dessa época:

2 comentários:

Anônimo disse...

Mas não seria a Warner Bros.? O desenho é Looney Tunes.

Diogo Antonio Rodriguez disse...

Mas é claro! Está corrigido. Obrigado e um abraço.