13 de set de 2009

El choque no se puede evitar

Ninguém sabe
Ouve-se

Hesito em pronunciar
Balbucios;
Prevejo

Ecoam sem cessar
Nos poemas
Cigarros apagados,
Copos longos, as
Partidas abstratas

Estamos e não estamos
Estou ficando surdo;
Sussurro

Doem as pernas
Mais um cigarro
E pronto:
Confissões

Capítulos deslocados
Contextos apagados
Copos longos, cigarros acesos
Lábios úmidos
Descaso

Tudo foge
Fico ali parado,
Balbucio e espero
Não escrevo
Torno a metaforizar
Baforadas
Cumplicidade

Não se sabe
De onde vem a culpa
Copos cheios
Cigarros longos
Filtros de palavras

Troco as palavras
Sinto braços
Silêncio, balbucios
Consoantes emperradas
Viro o pescoço
E olho a fumaça

Copos
Longos e vazios
Garrafas cheias
Baforadas e risadas
O silêncio sufoca a palavra
Só eu falo
Balbucio
Acendo o cigarro
Pouso o copo
Sobre a perna
Erro o elogio

Balbucio com
O corpo
Falo de menos,
Silencio

Mais um copo
Mais uma noite
Fuga
Engulo o almoço sozinho
Ao lado do espelho;
Espalho